domingo, 5 de junho de 2011

CRÔNICA DE CLÁUDIO ANDRÉ O POETA.


VOCÊ, MINHA TERAPIA OCUPACIONAL
Quem disse que ficar olhando as nuvens passar e pensando em você é tempo perdido?
Quem disse que contemplar a natureza e comparar contigo é tempo pedido?
Quem disse que sentir a brisa de um amanhecer pensando em você, sinto frio ou é tempo perdido?
Quem disse que nas minhas noites de insônia, penso em você, é tempo perdido?
Quem disse que querer-te por mais intrigante ou preocupante que seja, é tempo perdido?
Quem disse que escrever tudo isso pensando em você, é tempo perdido?
Ah, meu sol, não faz isso!
Estrelas, planetas, sol e chuva, não são por acaso.
Não te considero "um por acaso". Você é real. Você é uma vida. Você é minha terapia ocupacional sem data de validade. Entendeu? Ainda vai continuar insistindo ao dizer que és "um barco à deriva"? Fala sério! Marinheiro que tem medo de nadar, não vai pro mar.